A Comissão de Orientação e Apoio Acadêmico - COAA em conjunto com a Coordenação da Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva convidam os alunos do IESC, para participarem do Evento "Áreas temáticas, Linhas de Pesquisa e o Trabalho de Conclusão de Curso: uma conversa entre amigos”, no dia 21/05 de 13:30 as 16:30 horas no Auditório Profa. Dulce Helena Chiaverini (IESC).

O objetivo do evento é apresentar as pesquisas que estão sendo desenvolvidas no IESC e as possibilidades de inserção dos alunos visando o desenvolvimento do TCC. 

Além dos alunos envolvidos com o TCC, cuja presença é obrigatória, estendemos o convite para todo o corpo discente do Instituto.

Participe !!!!

PROGRAMAÇÃO

13:30h - Abertura do Evento

Prof.ª Egleubia Andrade de Oliveira – ​Coordenação do Curso de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva
Prof.ª Fernanda Vecchi Alzuguir - Coordenação do Seminário de Monografia da Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva do IESC/UFRJ

14:00h - Apresentação das áreas e linhas de pesquisa

Ciências Sociais e Humanas em Saúde
Epidemiologia e Bioestatística
Políticas e Planejamento em Saúde
Saúde Ambiental e do Trabalhador
Saúde Mental e Violências

15:30 h - Roda de Conversa

16:30 h - Encerramento

 

Cartaz do evento

Fortalecer o SUS, os direitos e a democracia. Este é o tema do 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, o Abrascão, que será realizado em julho de 2018 no campus da Fundação Oswaldo Cruz. Como nas edições anteriores, o Abrascão 2018 será mais uma oportunidade de afirmação científica, técnica e política da Saúde Coletiva brasileira, de interação entre os serviços de saúde e as instituições de ensino e pesquisa.

 

Mais informações podem ser obtidas no site do Congresso: http://www.saudecoletiva.org.br/

 

lg abrascao2018lg abrascao2018 data

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro - Consuni, em sessão extraordinária de 07 de dezembro de 2017 estabeleceu o calendário das atividades acadêmicas de ensino para o ano letivo de 2018. O Consuni é o órgão máximo de função normativa, deliberativa e de planejamento da Universidade nos planos acadêmico, administrativo, financeiro, patrimonial e disciplinar

O calendário pode ser acessado pelo link: http://www.consuni.ufrj.br/images/Resolucoes/Resolucao_n_13_de_2017.pdf

Recentemente circulou nas redes sociais a programação do evento “Agenda Saúde: a ousadia de propor um novo sistema de saúde”, organizado pela recém-criada Federação Brasileira de Planos de Saúde (Febraplan), mais uma entre as várias entidades representativas de planos e seguros privados.

O que é Febraplan? Qual o real impacto do evento? O que ele representa no contexto brasileiro?

Para responder a essas indagações e esclarecer as dinâmicas atuais do setor privado na saúde, o Grupo de Pesquisa e Documentação sobre o Empresariamento da Saúde - GPDES/IESC elaborou documento explicativo sobre o evento e o momento atual da saúde privada no Brasil.

Trechos do documento:

Conforme divulgado, o objetivo era reunir representantes de instituições governamentais, do legislativo e empresas de planos de saúde para debater os “gargalos e conflitos que permeiam o atual Sistema Nacional de Saúde (SNS), nas visões pública e privada” e apresentar uma “nova proposta estruturante do SNS”. A intenção manifesta do evento despertou indignação e comoção em diversas instâncias técnicas, profissionais e acadêmicas.

A ação política das empresas, empresários e entidades patronais do setor saúde é um tema que tem sido negligenciado pelo conjunto do movimento sanitário e por grande parte de seus intelectuais. Nesse sentido, tomar conhecimento e discutir rearticulações dos agentes privados é, sim, tarefa urgente e necessária para aqueles que defendem o direito à saúde e a universalidade. No entanto, a mera realização de um evento pró-mercado não pode ser tomada como balizadora da correlação de forças ou como sinal definitivo dos tempos, sob o risco de errarmos na análise, na crítica, no alvo e na ação. Assim, antes de interpretar o que de fato representa a realização do evento da Febraplan é necessário contextualizar e caracterizar a ação política do setor privado no período recente – em limites não tão precisos, da segunda metade dos anos 2000 até a atualidade.

(...)

A Febraplan agrupa um pequeno segmento do mercado de planos de saúde formado por empresas regionais de menor porte que buscam alternativas de representação frente a hegemonia dos grandes grupos econômicos nas principais entidades do segmento (FenaSaúde, Abramge, Unimeds). Portanto, tem atuação política ainda incipiente e distante da dinâmica econômica principal do mercado e da órbita de influência sobre políticas públicas.

(...)

Classificar a realização do evento como prova definitiva da ousadia do setor privado e marco do desmonte do sistema é superdimensionar e, até mesmo, propagandear o evento e a entidade. Além disso, joga luzes sobre um elemento secundário dos interesses em disputa, e reduz o potencial de análise política. Em última análise, sinaliza o pouco conhecimento atual do movimento sanitário sobre as características das empresas e o padrão de atuação política de seus agentes.

(...)

Hoje quem define rumo e prumo de políticas estruturantes para a saúde é o setor privado, ao contrário do que ocorria nos anos 1980. Essa tendência se aprofundou a partir do golpe parlamentar de 2016. Reconhecer essas evidências não significa fazer coro ao imobilismo, ao derrotismo e à naturalização dos fatos. Ao contrário, significa que para voltarmos a produzir transformações a médio e longo prazo, não é suficiente apenas a indignação ou o escracho. Faz-se necessário compreender as regras de crescimento dos mercados, seus padrões de atuação política, identificar crises, contradições e práticas corruptas para, então, dimensionarmos corretamente a correlação de forças e avaliarmos as possibilidades concretas e realistas para ação política em contraposição aos interesses privados.

 

Acesse aqui o texto completo

A Superintendência Geral de Assuntos Estudantis - Superst publicou em 14/01/2018 instruções para renovação semestral do Bilhete Único Universitário. Estudantes cotistas devem ter especial atenção às novas instruções, pois a forma de renovação foi modificada neste ano.

 

De acordo com a Resolução SMTR nº 2930/2017 de 21 de dezembro de 2017SMTR nº 2930/2017 de 21 de dezembro de 2017, o envio de informações para a renovação semestral do Passe Livre Universitário de estudantes cotistas passa a ser responsabilidade da Universidade, que deve fornecer essas informações até o prazo máximo de 30/03/2018.

O benefício do Passe Livre Universitário é disponibilizado pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro a estudantes residentes no município do Rio de Janeiro que estejam matriculados nos cursos de graduação de ensino superior localizados no município do Rio de Janeiro, que sejam bolsistas do Programa Universidade para Todos (ProUni), cotistas ou possuam renda familiar per capta de até 01 (um) salário mínimo.

Contudo, verificamos que o endereço residencial de um número elevado de estudantes está desatualizado na base de dados da UFRJ (SIGA), o que pode gerar o cancelamento do Bilhete Único, caso o mesmo possua endereço residencial cadastrado em outro município ou estado. Para evitar maiores transtornos, está aberto um prazo para atualização dos dados cadastrais no SIGA (aba "dados pessoais") até o próximo sábado, dia 20/01/2018. A regularização é online, não é preciso entregar nenhum documento na UFRJ.

No dia 22/01, será emitida a lista com os dados de todos os estudantes cotistas da UFRJ para ser enviada para a Secretaria Municipal de Transportes.

Lembrando ainda que, pela nova resolução, apenas os estudantes cotistas são contemplados por essa nova forma de validação. Para os demais estudantes, usuários do Bilhete Único Universitário na modalidade renda, o processo de renovação semestral não foi alterado. Estes devem agendar suas renovações semestrais diretamente com a RioCard.

O Curso de Extensão Abordagens dos Direitos Humanos na Saúde irá realizar no dia 08/12/02017 às 13h30 a mesa redonda Saúde Global, Direitos Humanos e Advocacy na Fundação Escola Superior da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Rua Marechal Câmara, 314 – 4º andar - sala 2).

Leia mais...

Topo